7 dicas para criar um programa de voluntariado com pouca verba

Desenvolver um programa de voluntariado empresarial é sempre um desafio e pode parecer uma missão impossível quando não há verba para tal. Infelizmente, essa é a realidade de muitas empresas de pequeno e médio porte, mas mesmo assim é possível fazer atividades bem bacanas de mobilização social. Por isso, separei abaixo algumas dicas para iniciar um programa de voluntariado que agregue valor à comunidade, à empresa e a seus colaboradores, gastando pouco ou nenhum dinheiro. Confira:

1) Identifique quem na empresa já pratica o voluntariado

É muito provável que na sua empresa já tenham pessoas que praticam o voluntariado em sua vida pessoal. Essas pessoas, geralmente, possuem afinidade com as causas sociais e têm um perfil colaborativo, além de já estarem próximas a alguma instituição social. Sendo assim, podem ser parceiras importantes na implementação de um programa de voluntariado ao compartilhar experiências, dar sugestões, dividir tarefas, indicar instituições e ajudar na divulgação interna das ações. Programas de voluntariado consolidados quase sempre são geridos através da relação com os pontos focais, voluntários que fazem a ponte entre a gestão central do programa e os demais voluntários. Identificar quem já pratica o voluntariado pode ser um caminho interessante para construir essa relação.

O processo de mapeamento pode ser feito através de uma pesquisa interna construída com ferramentas gratuitas, como o Google Forms, por exemplo. Isso pode ajudar a identificar também as causas e temas que os colaboradores da sua empresa mais se identificam: crianças, idosos, animais, meio ambiente, etc.

2) Estabeleça um vínculo com uma instituição próxima

Um passo importante é conhecer as instituições sociais na comunidade na qual a empresa está inserida, pois ela poderá ajudar a identificar as demandas daquela região. Além disso, elas podem trazer oportunidades de voluntariado muito interessantes para seus colaboradores. Mapeie essas instituições e escolha uma para conhecer mais profundamente e estabelecer um vínculo. A ideia é visitar pessoalmente a instituição, conhecer seu espaço físico, entender seu trabalho e fazer um levantamento das suas demandas. Com isso, tente identificar como o programa de voluntariado da empresa poderia ajudar.

Um tipo bacana de ação que pode envolver os colaboradores e não necessita verba é o pro bono, ou seja, quando o voluntário utiliza seu conhecimento técnico e o trabalho que executa no dia-a-dia para beneficiar uma instituição. Por exemplo: assessoria jurídica, desenvolvimento de sistemas, curadoria de website e mídias sociais, etc. Já falamos um pouco sobre isso aqui no blog. Além disso, palestras, workshops e formações podem ser atividades interessantes para capacitação de pessoal da instituição ou de seus beneficiários.

Mas lembre-se: é importante ouvir a instituição e alinhar as expectativas para que as ações realmente façam sentido tanto para a organização quanto para os voluntários.

3) Estabeleça um calendário de ações

Organizar um calendário de ações pode ajudar a enxergar melhor o programa de voluntariado, estabelecer metas e objetivos e facilitar o processo de implementação. O começo pode ser bem empolgante, mas não recomendamos que sejam estabelecidas muitas ações nesse início. Podem ser, por exemplo, duas ações por semestre: uma campanha de arrecadação e uma ação presencial na instituição. Nas campanhas de arrecadação, os voluntários podem se envolver na divulgação, logística, separação dos itens e entrega das doações, fortalecendo assim a cultura de voluntariado.

4) Procure sugestões de ações na internet

A internet está abarrotada de conteúdos bacanas que podem inspirar ações para o seu programa, muitas delas simples, demandando pouca ou nenhuma verba. Aqui no nosso blog, por exemplo, você encontra várias delas e pode propor para a instituição de realiza-las. Este Calendário de Mobilização Social traz 12 ações bem simples com passo-a-passo para serem realizadas, uma para cada mês do ano. Na Sociomotiva, você também pode se inspirar nas ações sugeridas e realizadas por outras pessoas para ter ideias bacanas que ajudem a iniciar um programa de voluntariado na sua empresa.

5) Crie um modelo de reporte de resultados

Medir o impacto do programa de voluntariado é essencial para qualquer empresa, inclusive na fase inicial, quando ainda é preciso buscar aprovação e verba interna. Se sua empresa não possui uma ferramenta específica para isso, recomendamos que você crie uma planilha básica com resultados que seriam importantes de serem medidos (por exemplo: número de voluntários, número de beneficiários, horas dedicadas, principais comentários, etc). A ideia é que seja algo simples, afinal, é esperado que o programa em seu início ainda tenha um escopo simples. Esses dados serão importantes para avaliar o desempenho do programa e traçar seu futuro. E, se os resultados forem promissores, ele te ajudará a defender a relevância do programa e conseguir aumentar seu orçamento.

6) Promova ações de arrecadação de recursos

Feirinhas e bazares podem ser boas opções para arrecadação de recursos para um programa que não conta com verba. Desse modo, o dinheiro arrecadado poderá ser usado para organizar as ações que foram planejadas. Cada voluntário, por exemplo, pode trazer pelo menos um item em bom estado para doar para um bazar na empresa e todo o recurso arrecadado é revertido para a ação semestral na instituição programada no calendário.

Outra boa ideia para dar uma animada no programa e nos voluntários é separar as pessoas em equipes e fazer uma gincana de arrecadação: a equipe que arrecadar mais recursos no período estipulado ganha algum prêmio simbólico, como um café da manhã com a Diretoria ou uma matéria no jornal da empresa. O que vale é a brincadeira. “Gamificar” o programa de voluntariado através de concursos e gincanas é uma prática comum em grandes programas de voluntariado e costuma trazer resultados muito positivos. Juntar essa prática à necessidade de obter verba para o programa pode ser uma ótima ideia nesse momento de implementação.

7) Aproveite ao máximo os recursos internos de comunicação

Um bom programa de voluntariado precisa lançar mão dos meios internos de comunicação. Para isso, conhecer as ferramentas e estabelecer uma boa relação com a área responsável é muito importante. Crie uma estratégia e use e abuse dos meios online e físicos, como intranet, grupos de e-mail, jornal interno, mural, TV corporativa, etc. Também é preciso usar a criatividade para divulgar as ações do programa, criando novas formas de comunicação, como por exemplo: bexigas nas mesas, decorações no refeitório, etc. Lembre-se: um programa de voluntariado só dá certo com voluntários e para fazer parte, eles precisam saber o que está acontecendo.

(Visited 332 times, 1 visits today)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *